Crônica: O charme das pessoas desastradas

Não é por mal que a louça quebra ou que aquele copo de bebida escorra o líquido todo pela mesa. São apenas os ossos do ofício, da cabeça avoada e do corpo desobediente que insiste em ganhar vida própria. Acho que a palavra “desastre” se tornou meu sobrenome desde os três anos de idade –…