Crônica: O chamado do inverno

No frio, não existe a obrigação de ser feliz. Uma amiga me disse essa frase em uma tarde de choro pós-término. Um dia onde eu só conseguia me lembrar do relacionamento que acabara de se romper, sem uma certeza de um contato, um sentimento mútuo de gratidão ou uma falta. Era um dia de cólica….

Crônica: como o Carnaval me ajudou a curar minha depressão

O Carnaval sempre foi uma data permeada por contradições pra mim. Em meio à folia colorida que invade as ruas e os sambódromos de todo o Brasil, eu não conseguia definir direito se essa data é algo que eu amo com todas as minhas forças, pela possibilidade de tanto ferver na farra quanto de descansar,…

Crônica: Quando ela escapou pelos seus dedos

Era uma bela mulher, com todos os atributos possíveis. Um corpo cheio de curvas, uma face delicada, uma inteligência fora do comum. Ele era um homem imaturo para sua idade. Uma pessoa que se cercava das mesmas piadas, com as quais pouco se sustentava, cheio de ambições vagas em detrimento de uma vida comum, onde…

Poema: “O Suicida”

O mundo é uma bola de neve, gigante e colossal. Uma bola de neve branca e capaz de engolir uma pessoa inteira. Capaz de submeter um único ser humano frágil Em uma parte integrante de suas partículas gélidas e marmóreas. Partículas de cores que mal se veem à distância. É apenas um corpo que gruda…

As dores e as delícias de 2017

2017 foi um ano complexo pra mim em diversos aspectos. Foi um ano desafiante, que exigiu um olhar pra dentro em muitos sentidos e uma nova percepção do outro. Olhando pra trás, mais do que um ano onde perdemos figuras emblemáticas no campo das artes, 2017 foi um ano recheado de escândalos políticos e culturais,…

Retrospectiva 2017: Obrigada por tudo, Chester Bennington!

Cá estou separando meus textos de final de ano e refletindo sobre tudo que 2017 representou pra mim – o que logo menos vira um texto exclusivo, o último desse ano, sobre as dores e as delícias que esse ano que se passou representou pra mim. Aqui, nesse pequeno espaço, eu dedico algumas palavras para…

Análise: vestibular da Fuvest reflete urgência na reforma educacional

Sou uma pessoa de grandes sonhos, que se realiza em diferentes ramos de comunicação e artes e que se sente bem estudando constantemente, mergulhando a cabeça nos livros, escutando outras pessoas e adquirindo conhecimentos por aí. Foi esse um dos motivos que me levaram a, há exatamente um ano, voltar a prestar vestibular com o…

Crônica: Sobre as voltas que o vento dá

Quando eu era pequena, gostava de me sentar na rede da casa de campo dos meus pais e de balançar conforme o vento batia no final da tarde. Gostava de observar o horizonte com as cores que surgiam no céu, vendo as transformações intensas de nuances no entardecer. Aquele crepúsculo que se descortinava na minha…

Poema: O Inimigo na Escuridão

O monstro adentra pelo quarto Invade o espaço entre as paredes Se acomoda na cama pequena Açoita a criança inocente. O monstro adentra pelo quarto Ameaça a alma confusa Diz para que ela não conte nada Compra-lhe o silêncio. O monstro adentra pelo quarto Promete mundos e fundos Causa a dor a uma pobre alma…

Poema: “Ruptura”

Era uma corda fina e delicada Sustentando dois corpos inclinados em frente De um lado para o outro. Uma dança os traz para perto Beijos acalentados Abraços de promessas Planos ditados no ouvido. Os corpos se entregam e se amam. São sustentados de uma forma branda. Mas os movimentos, de repente, se tornam bruscos. As…

Feminismo: A triste arte de classificar as mulheres pelo comportamento sexual

“Essa mulher é pra casar. Essa é pra transar”. Me pergunto se, em pleno século XXI, ainda não conseguimos superar tamanha baboseira. O comportamento sexual das mulheres sempre foi um objeto de poda, regras estapafúrdias, classificações esdrúxulas e muita, mas muita falta de respeito. Se ela tem um comportamento recatado em relação ao sexo, é…

Literatura: Poema de Véspera

Novembro chegou com seus tons de cinza e dourado. Com sua atmosfera de véspera Com seus aromas e cores de festas. Novembro se aproximou rápido. Condecorou a lembrança fria do escritório Da papelada sulfite em cima da mesa Do barulho do teclado batendo ininterruptamente Tendo os prédios do lado de fora para decorar. Novembro relembrou…