Crônica: A garota através do espelho

A garota parou através da moldura que ocupava o banheiro, observou seu reflexo e pensou: “Não me reconheço”.

Seus olhos estavam fundos, tristes, com manchas arroxeadas ao redor deles. Suas noites eram estranhas, com sonhos confusos e desencontrados.

Alívio era esse que sentia quando conseguia transportar seu inconsciente para um mundo novo. Ou quando simplesmente não sonhava, despertando no dia seguinte com um sentimento de renovação.

Observando seu reflexo, refletia sobre aquilo em que havia se transformado. Sentia falta do frescor da adolescência, de sua vontade de agarrar o mundo.

1863692
Crédito: Katerina Plotnikova

A aurora, que tanto havia lhe trazido alegrias, agora se apagava para trazer os tons alaranjados da tarde. Dentro de casa, temia a solidão. Temia suas dificuldades. Temia o pedaço obscuro de sua mente e os lugares tristes aos quais ela a transportava. Mas dentro de si, apegava-se ao pequeno e forte fiapo de sede de vida que a alimentava.

Não sabia como seu frescor havia se transformado nesse estado depressivo. Sentia falta de reconhecer-se, ditando palavras e emoções ao espelho. Sentia falta de observar seu corpo nu, da libido por sexo e da libido de viver que a despertava, percebendo sua pele como algo feliz.

Sentia medo das próprias aflições. Do anoitecer que refletia a maturidade e o autoconhecimento. Contentou-se, porém, ao se deparar com palavras de consolo, mostrando que a fragilidade na verdade, nada mais é, do que a própria humanidade do ser. Começava a aprender a lidar com suas fragilidades, medos, limites. A reconhecer uma face de si mesma que, no começo, a intimidava, mas era inerente a qualquer pessoa. Aprendia, por fim, a aceitar consolos, a entender que estava tudo bem em não conseguir seguir sozinha o tempo inteiro. Que era, afinal, uma normalidade enorme sentir-se fragilizada.

Screen Shot 2014-04-07 at 6.37.05 PM
Crédito: Katerina Plotnikova

Ás vezes, tinha receio da solidão. Mas, de repente, fixando seu olhar no reflexo do espelho, entendia que havia uma força interior que a impulsionava. Sentia fé e esperança, afinal.

A garota através do espelho despertou para um novo despertar. A aurora despedia-se para a entrada em um novo lugar. Aceitava suas dificuldades e as mãos amigas que se estendiam para impulsioná-la. Que não havia mal que durasse para sempre. A noite era escura, mas abrigava estrelas que iluminavam todos os cantos.

marvelous-photos-by-russian-photographer-katerina-plotnikova-36
Crédito: Katerina Plotnikova

A garota através do espelho fotografou-se. Sabia que, muito em breve, um novo olhar lhe devolveria o controle absoluto de si mesma, trazendo-lhe prosperidade e alegrias.

E então, a garota saiu do lugar que ocupava em frente à moldura e caiu para a noite. Andando por becos escuros, viu quando eles se transformaram em bosques com cheiro de dama da noite. Contentou-se ao ver que aquela escuridão imensa, na verdade, oferecia-lhe uma bela lua cheia, plena e iluminada. E que havia uma mão confortadora para segurar a sua e conduzi-la para uma ascensão plena e definitiva, onde ela mesma era protagonista.

* Fotos dos bosques: Katerina Plotnikova, uma de minhas fotógrafas favoritas.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s