Crítica Musical: Rock in Rio 2013 – 2° Fim de Semana

Qualidade, carisma e boa música. Creio que essas três palavrinhas podem descrever muito bem o último final de semana do Rock in Rio 2013. Não que as atrações pop tenham faltado no quesito qualidade, mas é impossível não comparar tais artistas aos músicos que sucederam suas apresentações no quesito simpatia: era nítida a atenção dedicada aos fãs, tanto nos palcos quanto fora deles.

Comparações à parte, o repeteco do festival deu início numa quinta-feira, com apresentações apoteóticas do Metallica, Sepultura, Alice in Chains e companhia (leia a resenha aqui). Na sexta-feira, foi a vez do Bon Jovi encabeçar o evento, praticamente dominado pelo público feminino, que também esteve presente em peso no show do Nickelback (leia a resenha do show em São Paulo).

iron 2
O Iron Maiden encerrou a edição 2013 do Rock in Rio no B rasil | Crédito: G1/Divulgação

Antes disso, Frejat – o músico brasileiro escolhido para abrir as apresentações daquele dia no Palco Mundo – fez uma apresentação discreta e de qualidade, mas sem grandes surpresas e repetindo o efeito do ano retrasado. Logo em seguida, o Matchbox Twenty era só sorrisos e nostalgia, com um setlist composto por músicas como Disease, Unwell e Push – aquela coisa bem anos 90 que fez os momentos de vários adolescentes. Enquanto isso, no Palco Sunset, o nome mais aclamado era o cantor Ben Harper e sua parceria com Charlie Musselwhite.

No sábado, o Gogol Bordello fez uma apresentação fantástica e divertida ao lado do cantor Lenine. Quer entender um pouco como misturar música com excentricidade e ainda fazer um show extraordinário? Os caras ensinam como! No palco principal, o Skank fez um show sólido e bacana, seguido por Phillip Phillips.

Descobri no festival quem era o cara e me surpreendi com a quantidade de críticos que rasgaram o verbo contra ele simplesmente por ter saído de um reality show. É sério isso, gente? Poxa, eu gostei do moço. E ele foi uma boa deixa pro mar de gritos agudos que viria com a entrada de John Mayer no palco. Não sou a maior fã de sua música e sempre o observo com certa desconfiança por causa de suas declarações preconceituosas e sua pose de machão. Mas vou reconhecer: o cara sabe o que faz e conduz o público com muita responsabilidade.

matchbox
O Matchbox Twenty compôs o lado romântico do festival| Crédito: G1/Divulgação

Infelizmente sua boa apresentação esvaziou um pouco a arena (what the fuck?!) e muitos deixaram de ver a melhor apresentação do dia: Bruce Springsteen, que deu uma aula de música, presença de palco, carisma e tantas coisas mais em quase três horas lindas. O setlist teve todas as faixas do álbum Born in the U.S.A e contou com um cover charmoso e carregado de sotaque de Sociedade Alternativa, do Raul Seixas. Honestamente: tem muito cantor novo precisando aprender com o titio. Aos 64 anos, o cara tá dando um banho em muito novinho por aí.

E por fim, mais um dia feroz pra encerrar a edição. O Palco Sunset começou com um André Matos surpreendentemente afinado, mesmo com sua evidente rouquidão, acompanhado do Viper. Outros artistas mostraram a que vieram como Destruction e Krisium e Helloween e Kai Hansen, mas nada que se comparasse ao improvável – e fascinante – encontro de Sepultura e Zé Ramalho, uma lição pros desavisados que desconhecem a atmosfera sem limites no qual a música pode se inserir. Fala sério: atire a primeira pedra quem não achou genial ver um público insano pulando loucamente em Admirável Gado Novo. Respeitei muito!

bruce
Bruce Springsteen sempre maravilhoso | Crédito: G1/Divulgação

Enquanto isso, o Kiara Rocks subia ao palco com a responsa de ser a banda nacional a abrir o Palco Mundo. Confesso que fiquei com medo das vaias que os caras poderiam sofrer, um mal que assola uma quantidade enorme de bandas convidadas para o evento. Mas não é que eles agradaram bastante? O maior acerto foi abrir com um cover bem executado de Ace of Spades, do Motörhead (embora eu não tenha entendido muito bem o por quê do vocalista falar em inglês com a plateia). Pra completar, os caras apostaram na presença de convidados ilustres, como Marcão, ex-guitarrista do Charlie Brown Jr., e Paul Diano, ex-vocalista do Iron Maiden (vejam bem a ironia), que agitaram o público com Highway To Hell, do AC/DC, e Blitzkrieg Bop, do Ramones. UFA!

Em seguida, foi a vez do Slayer mostrar toda sua competência, embora eu acredite que os caras deveriam ser a penúltima atração da noite. Sim, eu amo o Avenged Sevenfold e acho que eles fizeram um show razoável, mas faltou um pouco de lógica na ordem dos fatores em se tratando da estrada respeitosa do Slayer. Enfim, né… O Avenged é carismático, mas não estava nem de longe em seus melhores dias. Não sou muito fã do CD novo e acho que eles perderam muito de sua essência, além do que a guitarra do Synyster Gates passou boa parte do show sofrendo com a desafinação. Mesmo assim, o setlist foi bem intercalado com trabalhos mais antigos, como Critical Acclaim, Beast and the Harlot e Unholy Confessions.

iron
Iron Maiden | Crédito: G1/Divulgação

E por último, vimos o que eu classifico como o melhor show do Rock in Rio. Como diria um amigo meu, Maiden é Maiden. Não que eu seja a maior fã dos caras, mas não dá pra ficar indiferente com um frontman como Bruce Dickinson, com aquela voz extraordinária e um carisma que falta em muitos ‘novos roqueiros’ por aí, um palco bem montado, um som incrível daquelas e muita teatralidade. O repertório é indiscutível, sendo este composto por clássicos como 2 Minutes to Midnight, The Number of the Beast, The Trooper, Phantom of the Opera, Wasted Years e Fear of the Dark.

Pois é, meus caros: clássico é clássico e não desagrada. Tem muita gente precisando de uma aulinha com os caras antes de subir no palco e faltar com alguns quesitos básicos de uma boa apresentação. Fica a dica pra próxima edição!

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s