Crítica de Cinema: “Homem de Aço” acerta com bons efeitos visuais

Antes de começar a escrever sobre minhas impressões, já adianto: não sou a pessoa mais adequada para falar sobre adaptações de quadrinhos nas telas de cinema. Cresci acompanhada de muitos livros e poucos gibis (Turma da Mônica, pra ser mais exata), e só fui me encantar pela Marvel e pela DC Comics quando tinha 12 anos. Inclusive recebi uma caixa com vários exemplares antigos como empréstimo, gesto de um primo feliz em saber que alguém estava interessado em conhecer o universo dos heróis que tanto fizeram companhia na sua infância. Mas enfim, chega de justificativa…

Super-Homem (ou Superman, ou Homem de Aço, etc) é um personagem que sempre gera um pouco de polêmica nas rodas nerds. Há quem o ame e há quem o ache tão chato quanto o Capitão América (e sim, eu curto os dois). É aquele estereótipo de herói americano que ressalta excessivamente a qualidade do país em que vive em cada pequena atitude – e irrita muitas pessoas. Se você espera que esse filme tenha um pouco mais de sutileza ao tratar de “americanismo” eu aconselho: desencane!

Vamos aos prós e contras de O Homem de Aço:

man of steel
Crédito: Divulgação

Prós:

– Finalmente conseguiram fazer um filme que cative a atenção do grande público! Desde a primeira versão heroica de Christopher Reeve, o que se viu foi um fracasso de atrair bilheteria. A versão de 2006 de Superman Returns, com Brandon Routh como protagonista, tinha um roteiro muito raso e poucos atrativos. Dessa vez resolveram trazer o monstrinho Zack Snyder (300, Watchmen, Sucker Punch) pra dirigir a coisa toda. O resultado foi uma bela fotografia, desde a guerra que condenou Krypton à destruição e o general Zod ao exílio até as cenas de luta entre ele e Clark Kent. Se você notou um certo efeito sombrio, não esqueça que Christopher Nolan (diretor da última e espetacular trilogia de Batman) foi o produtor. Ha!

– A escolha de Henry Cavill (insira aqui muitos corações) como protagonista foi bem acertada. Depois de ser considerado um dos atores mais azarados de Hollywood, perdendo vários papéis importantes, o rapaz caiu no gosto de Snyder e foi selecionado para viver um papel importante. E o que ele fez ao receber a ligação que anunciava a conquista do personagem? Nada, simplesmente ignorou. Tudo isso porque estava jogando World of Warcraft e não queria perder a fase. Como não amar? (leia a entrevista do moço para a GQ britânica aqui).

Pausa dramática pra lembrar do bundico de Charles Brandon em The Tudors
Pausa dramática pra lembrar do bundico de Charles Brandon em The Tudors | Crédito: Divulgação

– Finalmente se tocaram que uma cueca vermelha por cima do uniforme do herói era a coisa mais horrorosa do mundo. O figurino veio assim: completamente azul, sem nenhuma cafonice. Aleluia!

– Russel Crowe sendo Russel Crowe e comovendo as pessoas simplesmente por abrir a boca. Amy Adams (sempre ótima) dando vida a uma Lois Lane forte. Kevin Costner e Diane Lane lindos nos papeis dos pais adotivos de Clark Kent. Junte todos eles e temos as cenas mais leves do filme no meio de tanta superprodução. São eles que nos lembram como o ser humano é complexo e dotado de sentimentos fortes. São eles que nos lembram dos sacrifícios inimagináveis que podemos fazer pelas pessoas que amamos.

Contras:

– Estamos de volta à estaca zero. Sim, acho importante que se explique como Krypton explodiu no espaço, como os pais se sacrificaram para que o super herói chegasse com segurança à Terra e trouxesse esperança aos seus habitantes no meio de tanta ambição e crueldade por parte de seus inimigos. Mas não deixa de ser uma repetição no meio de tantas outras histórias não vistas pelo público. E poxa, não tinha como apostar mais na carga dramática dos atores em cena ao invés de buscar tantas “explosões”?

Man of Steel
Henry Cavill em cena como Superman | Crédito: Divulgação

– Ainda sobre o tópico anterior, o filme é um reflexo de como Hollywood se perde nos efeitos especiais em busca de uma fórmula infalível nas bilheterias. Depois de um fracasso, acho natural que a abordagem mude e se invista tanto em superproduções – novamente destaco a beleza da fotografia. Mas tem uma hora que vira excesso e falta complexidade para se tratar de temas humanos, contradições e dúvidas vividas pelos personagens que logo são esquecidas com uma facilidade irreal.

– E o nacionalismo americano ataca outra vez. É impressionante como os personagens lutam tanto no espaço, voam pra tudo que é lugar no meio de tantos socos e pontapés e sempre caem no mesmo lugar. Triste, mas os heróis de Hollywood não foram feitos para salvar o mundo. Eles foram feitos para salvar a América.

Dica importante: nunca assista um filme desses ao lado de uma criatura mais nerd do que você. É um saco.

VAI LÁ
Man Of Steel (O Homem de Aço)
Direção: Zack Snyder
Elenco: Henry Cavill, Amy Adams, Michael Shannon, Diane Lane, Russel Crowe, Antje Traue, Harry Lenix e Richard Schiff.
Avaliação Final: ♥♥♥ (Bom)

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s