O homem antigo – uma crônica

GONE WITH THE WIND, Clark Gable, Vivien Leigh, 1939
GONE WITH THE WIND, Clark Gable, Vivien Leigh, 1939 – Divulgação

O homem divagava. Sentado na mesa do bar, entre goles e mais goles de cerveja, mergulhava em pensamentos, afastava o mundo ao seu redor e se perdia.

“Quantas vezes tu sentes que não pertence a essa década?”, perguntava-se o homem em seus devaneios. Dentro daquele lugar, incomodava-lhe a música excessivamente alegre, as falsas amizades e os interesses que não despertavam sua atenção. Que graça havia em descobrir aquilo que já estava escancarado à sua frente? Que graça havia na ausência do mistério? É tudo tão superficial…

Ele sabia que, num piscar de olhos, poderia ter o que os outros queriam dele. Sua noite terminaria em um quarto, com muitas taças de champagne e uma maravilhosa ressaca. Mais ele queria ir mais além, algo que suprisse por completo sua tão longa solidão. E então, sentia-se vazio e extremamente exigente, culpando-se por tudo que ocorrera de ruim em sua vida.

Mais um gole de cerveja e sua esperança de encontrar o que estava procurando se dissipava. Aliás…

“O que estou procurando?”, questionou, sem encontrar uma resposta convincente dentro de si mesmo.

Um amigo se aproximou, apresentando-lhe uma bela mulher.

– Essa é uma amiga. Quero que vocês se conheçam.

Eles se encararam. Ele suspirou. A mulher sorriu tímida, talvez ela própria desconfortável e sem saber o que fazer. Àquela altura, ambos se sentiam pressionados.

– Vou dançar – ela disse. Como que para espantá-lo.

Levantou-se, sem esboçar um sorriso sequer. Foi para o meio da pista. Era curvilínea. Bela. Mas naquela altura, nenhum dos dois estava interessado. Que mania dos outros de empurrar pessoas para se conhecer! Trocaram um olhar cúmplice, entendendo-se.

O amigo coçou a cabeça. Desconfiava que o parceiro não gostava de mulher. Porque homem, pra ele, não deve negar fogo. Pensamento velho.

No entanto, quando tudo parecia tomar um rumo vazio naquela noite abafada e estrelada, ele encontrou o que procurava. Caminhando como uma bailarina sorridente, e ao mesmo tempo melancólica. Carregava no olhar os opostos: a inocência e a sensualidade, o mistério e a excessiva expressividade, a alegria e a raiva. Os cabelos escuros pendiam de lado em suaves ondas. Seus olhos cruzaram com os dele, e ele se deparou com um mar profundo, revoltado e imenso. Ela mordeu o lábio espontaneamente. Desviou o olhar tímida, fitando qualquer outra coisa que a libertasse daquela voracidade. E então sorriu para o nada. Secou as mãos repentinamente úmidas e nervosas no vestido, passou-as entre os cabelos longos e os afastou, revelando um ombro nu. Voltou seu olhar para trás onde o homem continuava a fitar-lhe, maravilhado. Tudo isso por causa da simplicidade de um ombro nu.

Ah, se todo mundo soubesse as maravilhas de um ombro nu…

Advertisements

One Comment Add yours

  1. gab :) says:

    adorei bé, adorei ! s2

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s