Diário de Bordo: a gastronomia e a vida noturna de Lisboa

Eu costumo dizer que uma das formas que Lisboa mais me cativou foi, definitivamente, pelo estômago. Por todas as ruas charmosas e estreitas, há bares, restaurantes e cafés com uma pluralidade enorme de pratos completos, menus, comidinhas e os famosos doces. Alguns clichês caem muito bem por aqui. Os pasteis de nata são realmente outro…

Crônica: Você deveria fazer terapia

“Eu não preciso de terapia”. “Eu não acredito em terapia”. “Quem precisa de psicólogo é louco e eu sou normal”. Ah, as agruras da vida terapêutica… Justamente os detentores das famosas (e preguiçosas) frases de efeito, são justamente os que mais carecem da intervenção de um profissional em suas vidas pra entrarem em contato com…

Resenha Literária: “Prisioneiras” escancara patriarcado e falha do estado

Escrever sobre falhas promovidas pelo estado é sempre algo muito complexo: exige coragem do pesquisador/escritor para peitar os poderosos e escancarar as mazelas causadas pela falta de investimento e de um olhar atento para situações urgentes. Drauzio Varella é assim: vai fundo em suas vivências, pesquisa até os últimos detalhes, tece críticas construtivas e, acima…

Diário de Bordo: a vida cultural e os pontos turísticos de Lisboa

Lisboa é efervescente, divertida, radiante… A combinação de uma atmosfera urbana discreta com as construções históricas e imponentes de seus cantos formam um cenário atrativo aos olhos. Mas mais do que isso: a vida cultural da capital portuguesa é recheada de atrações diversificadas e pra todos os gostos. E claro, pois: caí de amores. Paulistana…

APP de viagem: as vantagens e desvantagens de usar o Couchsurfing

Um site que une viajantes e anfitriões com um objetivo central: dividir experiências e ofertar hospedagem gratuita, seja no sofá ou em um cômodo disponibilizado pelo dono da casa. Essa é a ideia que rege o Couchsurfing, uma plataforma que salva a vida de muita gente em busca de opções mais econômicas para viajar. Criada…

Crítica de Cinema: o que extrair de “Cinquenta Tons de Liberdade”

Salve, minha gente. Foi nada mais, nada menos do que UM MÊS sem escrever por aqui. Os motivos foram nobres: tirei vinte dias de férias em Portugal. Não totalmente, já que, como jornalista freelancer, tive que cumprir com o protocolo de obrigações enquanto nômade digital – uma experiência super enriquecedora e que me fez rever…

Crônica: O chamado do inverno

No frio, não existe a obrigação de ser feliz. Uma amiga me disse essa frase em uma tarde de choro pós-término. Um dia onde eu só conseguia me lembrar do relacionamento que acabara de se romper, sem uma certeza de um contato, um sentimento mútuo de gratidão ou uma falta. Era um dia de cólica….